Setor de escritórios recuperou em 2021

1/18/2022

A Cushman & Wakefield apresentou hoje os dados relativos à atividade do setor de escritórios na Grande Lisboa e no Grande Porto em 2021.

Após um primeiro semestre caracterizado por uma maior morosidade dos processos de tomada de decisão, e com quebras na procura na ordem dos 35% na Grande Lisboa e de 55% no Grande Porto, a resolução gradual da situação pandémica fez sentir os seus efeitos já na segunda metade do ano, refletindo uma recuperação da absorção de respetivamente 15% e 5%.

Segundo Carlos Oliveira, partner e diretor do departamento de escritórios da Cushman & Wakefield, “Apesar de um primeiro semestre pouco dinâmico o sector recuperou bem na segunda metade do ano e 2022 dá sinais de continuidade de crescimento. Algum receio que o teletrabalho tivesse um impacto negativo muito significativo nestes números tem-se revelado infundado. As empresas e os seus colaboradores ajustaram-se a modelos mais flexíveis ou híbridos na forma de utilizar os espaços mas os escritórios continuam a ter uma importância fundamental na cultura, comunicação e eficiência das corporações”.

No mercado de escritórios da Grande Lisboa, apesar da quebra de 35% no primeiro semestre, em 2021 foram transacionados 159.000 m², um crescimento homólogo de 15%. Verificou-se um aumento do número de operações, para cerca de 135, que foi contrabalançado pela redução da área média transacionada, para os 1.180 m².

Esta evolução da absorção foi fortemente influenciada pela concretização de alguns negócios de grande dimensão, nomeadamente a futura ocupação própria pela Câmara de Oeiras dos Paços do Concelho no Corredor Oeste (zona 6) com 30.500 m², cuja construção iniciou recentemente; e os pré-arrendamentos pela incubadora Factory no Hub Creativo do Beato em Outras zonas (zona 7) e pela Critical Techworks na K Tower no Parque das Nações (zona 5), com cerca de 10.000 m² cada. Desta forma, o Corredor Oeste (zona 6) concentrou o maior volume de procura, com 32%, e setor de TMT's & Utilities retomou a primazia, sendo responsável por 31% da absorção.

A taxa de desocupação aumentou 100 pontos base (p.b.) face a 2020, situando-se atualmente nos 5,7% e foram concluídos 43.100 m², dos quais somente 10% se encontram disponíveis no mercado. Demonstrando uma expetativa de retoma a curto prazo, o volume de oferta futura mantém-se elevado, com 188.000 m² de escritórios em construção, embora metade já tenha ocupação assegurada. Entre estes destaque para os empreendimentos atualmente em construção, com previsão de conclusão entre este ano e o próximo, nomeadamente o Exeo Office Campus – Aura e Lumnia (44.100 m²), o Alcântara Lisbon Offices (34.400 m²) e o World Trade Center Lisboa (23.300 m²).

No Grande Porto, após um a quebra expressiva de 55% da absorção no primeiro semestre de 2021, a maior atividade na segunda metade do ano contribuiu para um volume total transacionado de 56.600 m², um crescimento homólogo de 5%. À semelhança da capital, esta variação foi caracterizada por um maior número de negócios, acima de 60, e uma quebra da área média transacionada, para os 900 m².

Entre os negócios a destacar há um arrendamento de cerca de 7.000 m² no Centro Empresarial da Lionesa em Matosinhos (zona 6) e um total 9.150 m² distribuídos por 7 negócios no POP (Porto Office Park) no CBD Boavista (zona 1), que contribuíram para a ocupação integral deste empreendimento. Consequentemente, o CBD Boavista (zona 1) concentrou o maior volume de absorção, com 44%, e Outros Serviços foram os mais representativos, agregando 29% da procura total.

Nesta região a taxa de desocupação aumentou igualmente perto de 100 p.b. para os 8,9%, e foram concluídos 19.300 m², dos quais 60% se encontram por ocupar. Relativamente à oferta futura, 73.300 m² encontram-se em construção, com 35% dessa área com ocupação já garantida. Entre os maiores edifícios em desenvolvimento encontram-se o Porto Business Plaza (15.500 m²) e dois edifícios no Centro Empresarial da Lionesa (14.600 m²), todos com conclusão prevista para 2022.

Num enquadramento de recuperação gradual dos níveis de procura, verificou-se uma manutenção generalizada dos valores brutos de arrendamento, complementada pela concessão de incentivos adicionais, como carência de rendas e/ou contribuições para fit-out, pelos proprietários. Ainda assim, a reduzida disponibilidade entre os edifícios com melhor qualidade na Grande Lisboa contribuiu para um aumento da renda prime no Prime CBD (zona 1) para os €23,5/m2/mês; mantendo-se no Grande Porto nos €18/ m²/mês no CBD Boavista (zona 1).

Press releases recentes

With your permission we and our partners would like to use cookies in order to access and record information and process personal data, such as unique identifiers and standard information sent by a device to ensure our website performs as expected, to develop and improve our products, and for advertising and insight purposes.

Alternatively click on More Options and select your preferences before providing or refusing consent. Some processing of your personal data may not require your consent, but you have a right to object to such processing.

You can change your preferences at any time by returning to this site or clicking on Cookies.

MORE OPTIONS
Agree and Close
These cookies ensure that our website performs as expected,for example website traffic load is balanced across our servers to prevent our website from crashing during particularly high usage.
These cookies allow our website to remember choices you make (such as your user name, language or the region you are in) and provide enhanced features. These cookies do not gather any information about you that could be used for advertising or remember where you have been on the internet.
These cookies allow us to work with our marketing partners to understand which ads or links you have clicked on before arriving on our website or to help us make our advertising more relevant to you.
Agree All
Reject All
SAVE SETTINGS