Share:

Cushman & Wakefield apresenta “The Future of Workplace” – uma antecipação do novo normal dos locais de trabalho

Andreia Almeida • 5/27/2020

A Cushman & Wakefield apresentou hoje os resultados do maior inquérito global alguma vez feito sobre teletrabalho durante a pandemia de Covid-19. Foram analisadas mais de 40.000 respostas que demonstram como os colaboradores experienciaram o trabalho a partir de casa e de como será o novo normal quando os escritórios reabrirem.

 

O estudo “The Future of Workplace” demonstra que durante a pandemia, a produtividade manteve-se alta e que houve uma forte colaboração entre equipas através de um melhor e mais intensivo uso da tecnologia. 75% dos inquiridos afirma que colaboram eficazmente com os seus colegas no contexto atual, e 73% afirmam que gostariam que as suas empresas aplicassem politicas de trabalho flexível a longo-prazo ou mesmo permanentemente.

 

“É imperativo reconhecer que o local de trabalho nunca mais será uma localização apenas, mas um ecossistema composto por vários locais e experiências que ofereçam flexibilidade, funcionalidade e bem-estar aos colaboradores”, comenta Eric van Leuven, diretor-geral da Cushman & Wakefield em Portugal. “Apesar disto, a dimensão atual dos escritórios deve manter-se igual, uma vez que a prática de trabalho flexível resultará em menos pessoas fisicamente no escritório, mas com uma necessidade de espaço entre elas muito maior que anteriormente”.

 

O teletrabalho pode ter chegado para ficar, mas os resultados do inquérito demonstram também que as relações humanas e a interação social estão a ser negativamente impactadas, refletindo-se na cultura das empresas.

 

“Ao olharmos o futuro, vemos o espaço de escritório com um novo propósito: o de ser um destino inspiracional que fortaleça ligações, aumente aprendizagens, encoraje interações entre colegas e clientes, e impulsione a criatividade e inovação”, conclui Eric van Leuven.

 

Consulte o estudo completo aqui -  The Future of Workplace


Press releases recentes

Lisbon aerial view onto retail street
Confinamento no primeiro trimestre impacta investimento em imobiliário comercial em Portugal

A Cushman & Wakefield apresentou hoje os dados mais recentes relativos à atividade de investimento imobiliário comercial em Portugal. O ano de 2021 ficará indubitavelmente marcado pelo forte impacto da pandemia no setor, com uma quebra no volume de investimento no primeiro semestre do ano na ordem dos 69%. 

7/19/2021

Offices Lisbon Lumnia
Cushman & Wakefield selecionada para a comercialização do edifício Lumnia

A Cushman & Wakefield foi selecionada pela Avenue para a comercialização, em regime de arrendamento, do edifício Lumnia parte integrante do projeto EXEO Office Campus, no Parque das Nações.

7/14/2021

lifestyle portugal
Cushman & Wakefield revela que mais de um terço dos investidores imobiliários querem investir no mercado hoteleiro

Mais de um terço dos investidores imobiliários pretendem comprar hotéis na Europa, de acordo com a última publicação da Cushman & Wakefield, Hotel Investor Beat. Apesar da crise no setor do turismo e das viagens, causada pela COVID-19, 21% dos investidores admite reduzir o investimento no setor hoteleiro e apenas 10% colocaram os seus planos em stand-by.

7/13/2021

Estudos Relacionados

Street roofed with umbrellas, Agueda, Portugal
Research

Marketbeat Portugal

O Marketbeat Portugal é um estudo semestral que analisa em detalhe a atividade dos setores de escritórios, retalho, industrial, residencial e hoteleiro, bem como a atividade de investimento imobiliário em Portugal. 
Andreia Almeida • 9/22/2021
Lisbon-generic-750x456
Insights

2020 Investors Survey Portugal

A total of 53 investors participated in the survey which we conducted between the 6th and 17th May in order to gather data as well as market sentiment during the lock-down period.

Andreia Almeida • 6/7/2020
MAAT, Lisboa
Insights • Forecast - Outlook

COVID-19 Portugal Market Update

A Cushman & Wakefield publicou mais uma edição do COVID-19 Portugal Market Update, uma publicação que analisa as implicações da atual pandemia nos vários setores do mercado imobiliário português – escritórios, retalho, industrial/logística, hotelaria, residencial e investimento.


Andreia Almeida • 3/9/2021
Lisboa
Insights • Insights

Market Update Portugal

O profundo impacto da pandemia da doença COVID-19 – nomeadamente nas exportações (-15,5%), especialmente a componente de serviços (-36,3%) devido ao decréscimo do turismo; e no consumo privado (-7,4%), dado a quebra no comércio não alimentar – potenciam uma contração da economia em 2020, estimada em 8,6% pela Oxford Economics.
Andreia Almeida • 8/18/2020

NÃO ENCONTRA O QUE PROCURA?

Entre em contacto com um dos nossos profissionais.