Share:

Market Update Portugal

Andreia Almeida • 8/18/2020

O profundo impacto da pandemia da doença COVID-19 – nomeadamente nas exportações (-15,5%), especialmente a componente de serviços (-36,3%) devido ao decréscimo do turismo; e no consumo privado (-7,4%), dado a quebra no comércio não alimentar – potenciam uma contração da economia em 2020, estimada em 8,6% pela Oxford Economics.

Segundo esta mesma entidade, o investimento registará uma quebra menos significativa, de 6,0%, influenciado pela resiliência do setor da construção, que manteve da sua atividade ao longo da crise.

ESCRITÓRIOS

A suspensão generalizada dos processos de tomada de decisão gerada pela atual conjuntura teve uma maior expressividade na atividade do mercado de escritórios ao longo do segundo trimestre. Na Grande Lisboa, o volume de ocupação no primeiro semestre registou uma quebra homóloga de 23%, a qual foi ainda assim atenuada pela conclusão de algumas transações de grande dimensão que tiveram o seu início no período pré-COVID-19.

RETALHO

O volume de vendas a retalho publicado pelo INE evidencia os efeitos da pandemia COVID-19 neste setor, tendo registado nos primeiros cinco meses do ano uma quebra homóloga de 4,5%. Para tal contribuiu uma redução acentuada nos meses de abril (-19,4%) e maio (-12,0%), a qual foi mais expressiva no comércio não alimentar, com uma quebra acumulada de 12,6%, ainda assim compensada pelo aumento de 3,6% no comércio alimentar.

INDUSTRIAL E LOGÍSTICA

A atual pandemia abrandou a atividade comercial da economia portuguesa e, de acordo com o INE, entre janeiro e maio as exportações e importações de bens registaram uma quebra homóloga de 18,3% e 19,1% respetivamente. Contudo, as previsões da Oxford Economics apontam para um atenuar desta retração nos restantes meses do ano, com 2020 a atingir crescimentos negativos de 5,8% nas exportações e de 8,0% nas importações.

INVESTIMENTO

Apesar do impacto negativo da atual conjuntura na atividade de investimento imobiliário, o primeiro semestre de 2020 registou um novo máximo histórico semestral – entre janeiro e junho foram transacionados €1.670 milhões em imobiliário comercial (um crescimento homólogo de 50% face a 2019) distribuídos por 27 operações. Para este resultado contribuiu particularmente a venda de 50% da joint-venture Sierra Prime pela Sonae Sierra e APG à Allianz Real Estate e Elo, por cerca de €800 milhões2, e que desta forma compensou a quebra de 88% registada no segundo trimestre face ao ano anterior, para os €87,5 milhões.

Estudos Relacionados

The Museum of Art, Architecture and Technology, Lisbon, Portugal
MarketBeat

Portugal MarketBeat

Cushman & Wakefield MarketBeat Snapshot reports share quarterly Portugal commercial property activity across office, retail and industrial real estate sectors including supply, demand and pricing trends at the market and submarket levels.
Andreia Almeida • 10/28/2020
MAAT, Lisboa
Insights • Forecast - Outlook

COVID-19 Portugal Market Update

A Cushman & Wakefield publicou a primeira edição do COVID-19 Portugal Market Update, uma publicação que analisa as implicações da atual pandemia nos vários setores do mercado imobiliário português – escritórios, retalho, industrial/logística, hotelaria, residencial e investimento.


Andreia Almeida • 4/22/2020
Lisbon city
Research

Marketbeat Portugal

O Marketbeat Portugal é um estudo semestral que analisa em detalhe a atividade dos setores de escritórios, retalho, industrial, residencial e hoteleiro, bem como a atividade de investimento imobiliário em Portugal. 
Andreia Almeida • 10/8/2020
Lisbon-generic-750x456
Insights

2020 Investors Survey Portugal

A total of 53 investors participated in the survey which we conducted between the 6th and 17th May in order to gather data as well as market sentiment during the lock-down period.

Andreia Almeida • 6/7/2020

Press releases recentes

Cushman & Wakefield Research Predicts New Normal for Workplace
Cushman & Wakefield apresenta “The Future of Workplace” – uma antecipação do novo normal dos locais de trabalho

O local de trabalho passará a ser um ecossistema composto por várias localizações e experiências


Andreia Almeida • 5/27/2020

Huawei Lisbon
Cushman & Wakefield Responsável Pelo Projeto de Expansão dos Escritórios da Huawei em Lisboa

Cushman & Wakefield foi a consultora responsável pela gestão de projeto dos novos escritórios da Huawei Portugal. O novo escritório surgiu na sequência de uma expansão da empresa no edifício Art’s no Parque das Nações, e totaliza agora 1.800 m2 distribuídos por dois pisos.

10/26/2020

Habitat Porto
Novo conceito de restauração abre na Foz do Porto pela mão da Cushman & Wakefield

A Foz do Douro, uma das zonas mais nobres do Porto, foi o local escolhido para a abertura do novo conceito de restauração do grupo Reitoria. O novo espaço, Habitat, ocupa a totalidade de uma antiga casa na zona da Cantareira com cerca de 350 m2, incluindo uma esplanada com vista para o rio Douro.


10/13/2020

NÃO ENCONTRA O QUE PROCURA?

Entre em contacto com um dos nossos profissionais.